Formação Econômica do Brasil – Celso Furtado

Formação Econômica do Brasil – Celso Furtado

Celso Furtado 241 páginas
5.0/5.0
SINOPSE A tese de doutoramento sobre a economia colonial, defendida na Sorbonne em 1948, e o primeiro ensaio sobre a economia brasileira contemporânea, escrito no ano seguinte, são o ponto de partida do livro mais conhecido de Celso Furtado, publicado em 1959: Formação Econômica do Brasil. Quando o escreveu, na Inglaterra, Furtado imaginava explicar o Brasil para os estrangeiros. Acabou explicando para os brasileiros. Formação Econômica do Brasil chega, neste lançamento da Companhia das Letras, à 34ª edição, e está traduzido em nove línguas, entre elas romeno, chinês e japonês. O livro que se tornou um marco na historiografia econômica brasileira por pouco não existiria: o manuscrito enviado de Cambridge para a editora brasileira extraviou-se. Por sorte, o microfilme feito de última hora num equipamento precário pôde ser projetado: as quase trezentas páginas escritas à mão foram datilografadas, dessa vez com cópia. Formação Econômica do Brasil apóia-se numa visão derivada tanto da história como da economia. A combinação do método histórico com a análise econômica era, na época, uma novidade. Pela primeira vez, alguém no Brasil fazia historiografia econômica tendo uma sólida formação de economista. O texto se inicia com a análise da ocupação do território brasileiro, comparada também com as colônias do hemisfério norte e das Antilhas. Seguem-se os ciclos do açúcar, da pecuária, do ouro, a ascensão da economia cafeeira, e, no século XX, a crise da cafeicultura e a industrialização, cuja especificidade o autor trata com excepcional clareza. Em paralelo aos cinco séculos de história econômica, Celso Furtado estuda a evolução da mão-de-obra no Brasil, desde a escravidão até o trabalho assalariado, o dos imigrantes europeus e dos migrantes internos. Na conclusão, aponta os dois desafios a serem enfrentados até o fim do século XX, que guardam plena atualidade: completar a industrialização do país e deter o processo das disparidades regionais.

    Leia também...

    1822 – Laurentino Gomes...
    1822 – Laurentino Gomes...
    Nesta nova aventura pela História, Laurentino Gomes, o a...
    Detalhes
    1789 – Pedro Doria...
    1789 – Pedro Doria...
    A história e a força do pensamento Iluminista e Revolucion...
    Detalhes
    A Queda – Diogo Mainardi...
    A Queda – Diogo Mainardi...
    Um dos mais polêmicos jornalistas do Brasil, Diogo Mainardi...
    Detalhes
    Collor Presidente – Marco Antonio Villa...
    Collor Presidente – Marco Antonio Villa...
    Tudo sobre os trinta meses de turbulências, reformas, in...
    Detalhes